É possível tirar 1.000 pontos no Enem?

Enem — Escrito por

Um dos maiores mistérios que rondam o Enem é o cálculo da nota das provas. Quando se trata desse assunto, nada é simples de explicar. O modelo que o MEC utiliza, a forma de atribuir um grau de conhecimento variável a cada questão, a detecção automática de chutes… tudo é parte de uma complexa rede matemática que busca entender com mais proximidade qual a real proficiência de cada participante do Exame.

Talvez esse seja o primeiro ponto a esclarecer: mais do que saber quantas questões você acertou, o MEC está mais interessado em medir o grau de conhecimento em cada uma das quatro áreas do conhecimento pedidas no Enem.

A partir daí nasceu a lenda de que, nas provas objetivas do Enem, era impossível tirar a nota máxima, 1.000. Mas essa crença caiu por terra em 2015, quando a nota máxima em Matemática e suas Tecnologias foi 1.008,3!

Vamos investigar como é possível tirar nota acima de 1.000 no Enem. Descubra com a gente!

 

Como é calculada a nota do Enem

O Enem utiliza um modelo de correção conhecido no mundo todo, a Teoria de Resposta ao Item (TRI).

A TRI é resultado de um complexo estudo que envolve muita matemática, estatística e probabilidade. Resumidamente, funciona assim:

  • Por meio de algoritmos matemáticos, a TRI consegue analisar o grau de proficiência do candidato e a probabilidade dele acertar as questões de acordo com o grau de dificuldade de cada uma.
  • O sistema entende que quanto maior é a proficiência do avaliado, maiores as chances dele acertar um item. Assim, para a TRI, são levados em consideração os seguintes aspectos:
    • Poder de entendimento da questão
    • Grau de dificuldade da questão
    • Acerto ao acaso (chute)
  • Dessa forma, o valor da nota do Enem será baseado no número de acertos, no grau de dificuldade das questões e no padrão de respostas dadas pelo candidato. Quanto mais coerente, melhor.

A coerência é um quesito importante e tem impacto direto na nota do Enem. É que o MEC entende o seguinte: se o participante tem um grande conhecimento em determinada área, ele será capaz de acertar as questões fáceis, as médias e as difíceis. Se tem pouco conhecimento, provavelmente deve acertar apenas as fáceis. Agora, se acerta algumas fáceis, nenhuma média e uma ou outra difícil, significa que provavelmente ele está chutando algumas respostas. Um comportamento incoerente, como este último, vai render uma pontuação mais baixa.

As provas do Enem não têm pontuação mínima e máxima, como se costuma pensar. A nota não deriva apenas do número de acertos, mas da coerência do participante e dos parâmetros de dificuldade de cada questão. Por isso, é comum encontrar pessoas com o mesmo percentual de acertos e notas diferentes – porque o valor depende mais do padrão de resposta do que do número de questões acertadas.

 

É possível tirar 1.000 pontos nas provas objetivas do Enem?

Desde que o MEC passou a usar o modelo de Teoria de Resposta ao Item, em 2009, ainda não se tinha registrado nota 1.000 nas provas objetivas. No Enem de 2015, entretanto, alguns candidatos tiraram nota acima disso na prova de Matemática e suas Tecnologias. Três deles acertaram todas as 45 questões e emplacaram a incrível nota de 1.008,3!

Como isso é possível?

A explicação, mais uma vez, não é fácil, mas o entendimento fica mais claro quando a gente descobre que o Enem não estabelece notas mínimas e máximas (0 e 1.000, no caso) para cada prova, mas sim parâmetros de dificuldade.

O Enem usa uma escala na qual as questões são distribuídas. Nessa escala temos as fáceis, as médias e as difíceis. Ao acertar todas as 45 questões de Matemática os candidatos ultrapassaram o parâmetro de 1.000 pontos porque foram capazes de demonstrar proficiência bem acima da média, decifrando todos os itens.

Nota acima de 1.000 não é algo comum de ver no Enem, mas as probabilidades estão aí para provocar esse tipo de surpresa na gente.

 

É possível tirar zero nas provas objetivas do Enem?

Tecnicamente, sim. Mas seria uma situação mil vezes mais difícil do que tirar nota acima de 1.000.

Imagine a cena: o Enem faz uma prova com 45 questões tão fáceis, mas tão fáceis, que só alguém sem qualquer conhecimento conseguiria errar. Improvável, não é? Pois seria o único cenário possível para um zero na prova.

Isso porque o Enem parte do pressuposto que nenhum candidato chega à prova com zero conhecimento. O próprio MEC faz uma metáfora interessante, usando como base uma corrida de 100 metros e outra de 2 quilômetros.

Se o candidato não conseguir cumprir os 100 metros iniciais não significa, no entanto, que ele não tenha conseguido correr pelo menos 20 metros, por exemplo. O Enem entende que completar apenas 20 metros também indica que a pessoa tem alguma capacidade.

Acontece algo similar com as provas. Mesmo que o candidato erre todas as questões, não significa que ele não tenha qualquer conhecimento naquela área, até porque o Enem não parte do pressuposto que zero acertos é igual a zero conhecimento.

A mesma lógica se aplica à nota máxima. Digamos que o participante conseguiu correr os 2 quilômetros, mas será que ele conseguiria correr mais 6?

A dica é deixar de lado o pensamento de que o Enem sempre usa uma escala de 0 a 1.000, como estamos acostumados na escola (onde às vezes é de 0 a 10 ou de 0 a 100). Assim, aos poucos, a gente vai se acostumando à lógica da Teoria de Resposta ao Item.

 

É possível zerar ou tirar 1.000 na redação?

O sim vale para as duas notas. É possível tanto zerar na redação quanto tirar nota máxima de 1.000 pontos.

A redação não é corrigida de acordo com os parâmetros da TRI. Ela é feita da forma tradicional, à mão, uma a uma, por dois (e às vezes até três) avaliadores diferentes.

O texto é avaliado em cinco itens, cada um valendo 200 pontos:

  1. Domínio da língua
  2. Desenvolvimento do tema
  3. Uso de recursos linguísticos
  4. Capacidade de articular ideias
  5. Proposta de intervenção social

Para obter a média, a nota final dos dois avaliadores é somada e dividida por dois.

O zero pode vir por vários motivos: fuga do tema, do formato, anulação proposital da prova, etc.

Na redação, ao contrário das provas objetivas, não é possível tirar nota acima de 1.000.

 

Veja também:

Descubra que nota você precisa ter pra passar no Enem

 

Entendeu mais ou menos como funciona a nota do Enem? Se ainda tem dúvidas, fale com a gente nos comentários!

Comente