Descubra o que é e por que fazer o PEP

Bolsas de Estudo — Escrito por

O PEP é o Parcelamento Estudantil Privado, uma forma de financiamento de mensalidades disponível em instituições de ensino superior em várias cidades do Brasil.

 

Com ele, dá para negociar até 70% das mensalidades para pagamento somente depois da conclusão do curso, sem juros e em prestações que se estendem por vários anos.

 

Veja a seguir tudo o que você precisa saber sobre o PEP, desde as modalidades de parcelamento até como fazer a inscrição!

 

O que é o PEP

O Parcelamento Estudantil Privado (PEP) é um programa de financiamento de mensalidades de cursos superiores oferecido pelas faculdades que fazem parte do Grupo Kroton, uma das maiores redes educacionais do Brasil.

 

Faculdades que participam do PEP

As instituições participantes do PEP são:

 

É importante saber que todas as faculdades que participam do PEP são reconhecidas e bem avaliadas pelo Ministério da Educação (MEC). O que isso significa? Que o seu diploma será válido em todo o território nacional e poderá ser usado para prestar concurso público ou concorrer a uma vaga de emprego que exija nível superior, bem como para continuar os estudos em uma pós-graduação.

 

Como funciona o PEP

O PEP pode ser contratado em diferentes formatos – veremos todos eles detalhadamente a seguir – e inclui a negociação de até 70% das mensalidades do curso superior.

 

O pagamento da dívida começa somente depois da formatura e o prazo para a quitação é igual à duração do curso financiado.

 

Por exemplo: se o aluno financia uma faculdade de quatro anos, terá quatro anos depois de formado para saldar o que deve. Se o curso durar cinco anos, o prazo de pagamento se estenderá por cinco anos após a formatura, e assim por diante.

 

O valor será dividido em prestações mensais e não serão cobrados juros.

 

É bom deixar claro que, mesmo sem a cobrança de juros, os valores estão sujeitos à correção monetária, segundo o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

 

Ao contrário do que acontece em outros programas de financiamento, como o FIES, do governo federal, para contratar o PEP não é necessário ter feito o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Se o aluno passou no vestibular de alguma das faculdades mencionadas acima, isso basta para solicitar a inscrição no programa.

 

Isso não impede o aluno ingressar na faculdade pelo desempenho no Enem e, a partir daí, pedir o PEP. Quer dizer: os pontos do Enem podem ser utilizados para ingressar na faculdade, mas não são obrigatórios para contratar o financiamento.

 

Uma vez aprovado, o estudante desfrutará das vantagens do PEP até o final do curso. Têm o direito de contratar o financiamento os calouros e os alunos transferidos de outras faculdades, desde que peçam o benefício em seu primeiro semestre de estudos na nova instituição.

 

Com exceção do curso de Medicina, praticamente todas as outras graduações presenciais podem ser parceladas com o PEP. De todo modo, as regras do programa podem variar a cada semestre e é recomendável consultar diretamente a faculdade em que você estuda ou está pensando em estudar para obter informações atualizadas.

 

 

Os diferentes tipos de PEP

O Parcelamento Estudantil Privado pode ser contratado em três diferentes modalidades:

 

  • PEP 25: aplica-se a cursos superiores de tecnologia (cursos de tecnólogo) com duração máxima de dois anos. No primeiro ano, o estudante arca com 25% de cada mensalidade. No segundo, 35%. O saldo remanescente – que nada mais é do que a dívida que o aluno tem com a instituição – só começará a ser pago depois da conclusão do curso. Cada parcela equivalerá à soma da dívida total dividida pelos meses que o aluno tem para pagá-la.

 

  • PEP 30: diferentemente do PEP 25, o PEP 30 pode ser aplicado a praticamente todos os cursos de graduação presencial das faculdades que oferecem o programa. As porcentagens também são outras: nos dois primeiros semestres o estudante paga 30% da mensalidade. No terceiro e quarto, o valor a pagar é de 40%. No quinto e sexto, 50%. A partir do sétimo período e até o final do curso, a porcentagem é de 60%.

 

  • PEP 50: essa modalidade também se aplica a quase todos os cursos de graduação presencial das faculdades participantes do programa. O PEP 50 é o único que exige um fiador. A conta é simples: o aluno paga 50% das mensalidades durante todo o curso, e o valor das parcelas a serem quitadas depois da formatura são os 50% restantes, divididos pelos meses que o estudante tem de prazo para pagar.

 

Vale a pena se inscrever no PEP?

O Parcelamento Estudantil Privado apresenta algumas vantagens em relação a outros programas de financiamento.

  • O PEP não cobra juros, apenas correção monetária.
  • O PEP não exige as notas do Enem e não é um processo seletivo. Se o aluno passar no vestibular, já pode se inscrever no programa.
  • O PEP não pede fiador (exceto o PEP 50) e não há necessidade de ter conta em banco.
  • O estudante só começa a pagar a dívida depois de formado, quando as chances de ter um bom trabalho e melhores salários são maiores.
  • Uma vez aprovado para participar do PEP, o benefício é automaticamente válido para todo o curso.

 

Como se inscrever no PEP

Outra vantagem do Parcelamento Estudantil Privado é a contratação sem burocracia. O aluno que consegue uma vaga para graduação já pode automaticamente optar pelo programa, inscrevendo-se diretamente na unidade em que estuda ou vai estudar.

 

No momento da matrícula, basta manifestar seu interesse em participar do Parcelamento e verificar a documentação solicitada. A partir daí, é só reunir os documentos, levá-los à secretaria e esperar a resposta sobre a aprovação do financiamento.

 

 

Veja também:

Saiba como conseguir desconto para estudar na Anhanguera

 

O que achou do PEP? Vale a pena tentar? Deixe aqui seu comentário!

Comente