A arte Egéia está associada às culturas que floresceram no mar Egeu e que foram principalmente três:
1. Ilhas Cíclades – Cicládica, 2. Creta – Cretense/Minóica, 3. Continente grego – Helênica/Micênica.

Embora apresentem elementos comuns, a arte dessas culturas não é unitária e apesar das especificidades de cada cultura verifica-se o predomínio da cretense.

Desde 5.000 a C identificam-se elementos comuns na arte dessas culturas neolíticas em Creta e nas ilhas Cíclades de provável origem Oriental. Entre 2.700 e 2.500 a C, Creta e Cíclades já estão amadurecidas.

ARTE CICLÁDICA
A cultura das ilhas Cíclades é ainda uma grande incógnita, pois dela praticamente pouco restou além de modestas sepulturas em pedra. Em termos de produção artística destaca-se a cerâmica (vasos, taças e cálices) decorada com motivos geométricos lineares, espirais ou curvilíneos.

Outro destaque são os ídolos de mármore que são de poucos centímetros ao tamanho natural, num motivo abstrato onde a cabeça é um ovóide e o único relevo é o nariz. Aparecem também pequenas figuras de homens tocando lira ou flauta e mulheres segurando crianças.

RELAÇÃO HISTÓRICA ENTRE A CIVILIZAÇÃO CRETENSE E A MICÊNICA.
Ilha de Creta . é a cultura mais importante, com grande influência; . período de florescimento 3.000 a 1.400 a C; . apogeu de 2.000 a C; . 1.400 a C, domínio micênico.

Região do Peloponeso
– cerca de 1.900 a C, os Aqueus chegam à região do Peloponeso;
-povo de língua grega;
– 1.600 a C: cultura já estabelecida baseada no comércio marítimo.
-Cidades fortificadas, sendo a maior delas a de Micenas;
– 1.400 a C Micenas torna-se rica e poderosa e conquista Creta;
– 1.300 a C em diante: desordens no Mediterrâneo – queda do comércio e declínio econômico de Micenas que passa a tomar pela força o que não conseguia pelo comércio.

OS CRETENSES

VIDA E SOCIEDADE

Povo marítimo, com economia baseada no comércio de produtos agrícolas e produtos artesanais, possuía domínios de príncipes locais zelosos de sua independência e aparentemente desinteressados de se tornarem soberanos absolutos.

O rei da cidade de Knossos parece que tinha um pouco mais de importância. O rei MINOS. Na verdade Minos foi uma dinastia que tomou conta de Knossos entre 1700 a 1450 a C. e proporcionou um período áureo da civilização cretense. O rei tinha função religiosa mais sua principal função era a de empresário.

A religião era amena e não desempenhou papel determinante na cultura cretense, Culto à deusa-mãe geradora da espécie humana, rainha dos animais e das plantas. Havia um grande número de divindades femininas e um número também grande de representações femininas. Tinham rituais funerários mas não se afligiam por terrores sobrenaturais e nem se esforçavam para preservar os restos mortais, apesar de acreditarem na vida após a morte.

Seus costumes: gostavam de esportes, cultuavam o corpo, danças, tauromaquias, lutas. Os homens usavam tangas no dia-a-dia e saiotes com cinturões ajustados, sandálias ou botas nas ocasiões especiais; cabelos longos e barbas feitas.

As mulheres usavam saias apertadas na cintura, corpetes justos, babados coloridos; às vezes seios à mostra; penteados para cima com cachos soltos na testa e laterais; uso de batons e sombras; às vezes depilação de sobrancelhas. A mulher tinha maior liberdade do que era habitual na época. Muitos atribuem a eles a invenção da dança.

ARQUITETURA

Inexistência de construções funerárias e religiosas de caráter monumental ou colossal, bem como a ausência de uma arquitetura militar significativa. A arquitetura palaciana possui caráter informal ( não existe um esquema pré¬determinando; não tem preocupação com o fausto, imponência e ostentação). Vão se tentando soluções mais adequadas para satisfazer as necessidades práticas.

Há uma preocupação com o conforto e defesa contra o calor, pátios de arejamento e terraço. Construção do palácio articulada em vários planos, tubulações para água e esgoto, bem como a presença de uma sala de banho.

ESCULTURA

É pouco significativa com ausência de composições grandiosas. Constitui-se basicamente de figuras pequenas de argila ou terracota (argila cozida) ou outros materiais locais. Os temas prediletos são: animais e devotos femininos (deusas e sacerdotisas).

Destacam-se ainda os ritons, pequenas vasilhas em pedra, argila ou metal, geralmente com forma de animais divinizados e com função ritualística.

PINTURA E BAIXOS RELEVOS

As pinturas e os relevos conhecidos são em sua maioria de 1.600 a 1450 a C, fase que coincide com o naturalismo na pintura da cerâmica. Influência egípcia quanto à forma com as figuras fortemente contornadas, cores chapadas, lei da frontalidade e influência quanto à técnica com afrescos e relevos pintados.

Mas a pintura difere-se da egípcia pela harmonia decorativa, liberdade de concepção, gosto pelo movimento (ondulatório principalmente) e pelo seu caráter profano. Na pintura cretense identifica-se o uso das cores vivas e contrastantes, o vermelho, azul e branco são as principais, mas também usam o marrom, o amarelo, o verde e às vezes o cinza e o rosa.

Os temas na pintura são variados: cenas da vida palaciana, procissões rituais, acrobacias, esportes e danças, flores exóticas e animais fantásticos. A finalidade era decorativa.

CERÂMICA
Das mais belas do mundo antigo, primoroso acabamento dos vasos, taças e ânforas decoradas com motivos pintados ou gravados.
1ª fase: motivos geométricos (triângulos, retângulos e espirais) e motivos vegetais estilizados.
2ª fase: naturalista com predomínio da temática marinha. Vasos rituais com formas dos animais divinizados.
3ª fase: retorno à estilização geométrica. Composições simétricas.

OS MICÊNICOS

A civilização micênica imitou muito de longe a arte cretense, mas a sua arquitetura apresentou traços próprios. Suas construções são longas e retangulares. Internamente apresentavam as seguintes divisões; um vestíbulo, uma antecâmara e um grande salão – O Megaron – que era a sala principal do palácio.
Além disso, a arquitetura micênica apresentava um caráter de monumentalidade que não havia em Creta. Possuía também um tom militar nas suas construções com cidades amuralhadas.

Os micênicos decoravam as paredes de seus palácios com pinturas, mas usaram motivos muito diferentes dos artistas de Creta. Na pintura micênica aparecem guerreiros, cenas de caça e desfiles de carros, e não mas figuras leves e ágeis.

Na Escultura destacam-se dos leões colocados em cima da entrada principal da muralha feita por enormes blocos de pedra que cercava Micenas. A monumentalidade dessa entrada, chamada Porta dos Leões, sugere os valores principais daquela civilização: a força e a agressividade.

Na Cerâmica micênica, manifesta-se influência cretense mais na forma que na decoração, mas as pinturas revelam uma intenção de caráter narrativo e não só ornamental, assinalando, deste modo, uma das principais correntes da ornamentação cerâmica grega. Com muita freqüência os temas marítimos persistem embora falta-lhes sutileza e imaginação.

Os objetos de ourivesaria encontram paralelo nos objetos descritos pelo poeta Homero na Ilíada e Odisséia.É o caso de uma expressiva máscara funerária de um príncipe micênico, que se considerou como sendo Agamenon, rei de Micenas, que participou da guerra de Tróia

Arte Egéia

O termo Egeu engloba não somente significados geográficos, representa as civilizações que surgiram antes do aparecimento dos Gregos por volta do 3000 A.C. Estes povos se desenvolveram em tres regiões próximas porem com características diferentes originando divergências culturais percebida nas artes e no seu modo de vida.

Povo Minóico

Após cruzar o Mediterrâneo vindo do delta do Nilo no sentido noroeste chegaremos ao princípio da Europa que é a extremidade oriental de Creta. Teve como grande e mais conhecido governante o Rei Minos, da onde deriva o nome Minóico.

A pintura tinha temas naturalistas, relatando principalmente a vida marinha e com uma certa freqüência eram representados Touros, tidos como sagrados, em “jogos” com maior ênfase a facilidade de movimento do que a dramaticidade.

Como os Egípcios diferenciavam a mulher por uma tonalidade mais clara da pele e uma cintura mais fina. As gravuras eram geralmente encontradas em palácios, os cretenses desenvolveram uma cultura centralizada em centros urbanos, que estranhamente foram destruidos em 1700 a.C. e novamente reconstruídos 100 anos depois, para mais uma vez tombarem em 1500 a.C. Estes palácios sobreviveram em lendas como o labirinto do Minotauro referente ao Palácio de Minos e seus incontáveis cômodos.

O interessante é que estas catastofres não são relatadas em suas manifestações artísticas que tem um tom alegre e descontraído e somente são percebidas por uma descontinuidade da arte narrativa.

Povo Cicladense

Na região ao norte de Creta existe um grupo de ilhas chamadas de Ciclades e foram habitadas no período de 2600 e 1100 a.C.

Este povo enterravam seus mortos em túmulos de pedras e junto com eles prestavam uma homenagem a deusa da fertilidade representada pela figura de uma escultura em mármore com variados tamanho podendo chegar ao natural.

Apesar deste tipo de escultura, representado uma silhueta feminina, existir desde o paleolítico a arte cicladense apresenta uma disciplina que a difere da arte da era das cavernas, uma característica marcante é o nariz alongado presente na face bem como as noções de convexidade nos joelhos e abdome.

Povo Micenenses
Do outro lado do mar Egeu no sudeste do continente Grego na época de 1600 a 1100 a.C. apareceram diversos povoados onde seus moradores foram conhecidos como micenenses, nome originário do maior destes povoados o de Micenas.

A arte dos micenenses era pouco expressiva e se resumia a cerâmicas e armamentos em metais, inexplicavelmente passaram a enterrar os mortos em túmulos com forma de colmeia e a construir palácios como verdadeiras fortalezas rodeados por muros em pedra, surgiu com isto as paredes esculpidas com perceptíveis influencias do oriente próximo. Uma dessas fortalezas foi considerada pelos gregos como obra dos Cíclopes e possuía dois leões esculpidos na entrada.

Prof. Luiz Ozanan / Pós-graduado em Informática Educacional e Mestrando em História. Professor da FUMA e IJJA na cadeira de Arte e Estética e História da Arte