O programa Ciência sem Fronteiras promoveu nesta semana mais uma edição do Encontro de Orientações para Bolsistas. Este evento tem como objetivo passar orientações e conselhos gerais sobre viagem e a graduação sanduíche no exterior para os novos integrantes do programa. Este encontro ocorreu em Brasília, no prédio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).

Estava presente na abertura do evento o ministro da educação, que relatou que o programa não é uma ação isolada. “Os bolsistas aqui presentes são o futuro da ciência aplicada no Brasil. Dentro de alguns anos, quando forem pesquisadores e professores do futuro, poderão trazer mais desenvolvimento e crescimento ao país”, ressaltou o ministro em sua declaração.

De acordo com o presidente da CAPES, a participação dos estudantes no programa Ciência sem Fronteiras garante diversas oportunidades: “Os bolsistas do Ciência sem Fronteiras têm a possibilidade ímpar de conviver por algum tempo nas melhores universidades do mundo”.

Durante a reunião, também participaram ex-bolsistas do programa que retornaram recentemente ao Brasil e compartilharam suas experiências. Os relatos de sucesso dos estudantes foram extremamente bem recebidos, garantindo um entusiasmo peculiar nos candidatos que ainda estão por viajar.

A grande responsabilidade e compromisso dos novos bolsistas com o auxílio na transformação positiva da realidade brasileira foi também um foco da reunião. O compromisso e necessidade da transformação do ambiente educacional foi reforçado também durante o encontro.

O programa Ciência sem Fronteiras foi criado para promover a consolidação, expansão e internacionalização da ciência e tecnologia, da inovação e da competitividade brasileira através do intercâmbio e mobilidade internacional. A iniciativa é fruto de um esforço acompanhado do Ministério da Educação e da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), por meio de suas respectivas instituições de fomento (CAPES e CNPq).