Como funciona a nota do Enem?

Enem — Escrito por

Tirar uma boa nota no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) traz muitos benefícios. Quem participa desta prova pode se inscrever em diversos processos seletivos para tentar uma vaga em universidades públicas e privadas, bolsas de estudo e até financiamento estudantil.

Todo ano, entre o final de outubro e o início de novembro, milhões de participantes se dedicam, por dois dias seguidos, a responder 180 questões objetivas e elaborar uma redação. A meta é atingir uma boa pontuação para conseguir entrar na faculdade dos sonhos.

O gabarito oficial é divulgado logo em seguida. Porém, isto não diminui a ansiedade dos participantes, pois não é possível saber que nota vão tirar apenas conferindo o número de acertos.

O método utilizado para corrigir as provas do Enem é bem mais complexo do que estamos acostumados a encontrar nas escolas e nos vestibulares tradicionais. Trata-se de um modelo estatístico que considera o grau de dificuldade das questões, o percentual de acertos e até a possibilidade do estudante ter chutado algum item!

Está curioso para saber como a nota do Enem funciona? Veja a seguir como o cálculo é feito!

 

Como funciona a nota do Enem

O Enem utiliza dois métodos diferentes para calcular as notas. As provas objetivas são submetidas a um modelo chamado Teoria de Resposta ao Item (TRI) e a redação é corrigida manualmente, de forma tradicional.

Veja em detalhes como isso funciona.

 

Como funciona a nota das provas objetivas do Enem

A Teoria de Resposta ao Item é um método de avaliação bastante sofisticado e utilizado em diversos exames de alto nível no mundo todo. Funciona da seguinte maneira:

Os cartões-resposta dos participantes são enviados para uma leitura automatizada, que vai transformar as informações em um banco de dados. Estes dados são interpretados pelo modelo TRI e analisados por uma equipe de profissionais composta por matemáticos, estatísticos e psicometristas (especialistas em mensurar comportamentos).

As questões da prova não recebem um valor fixo. O que determina o peso dos itens é o percentual de erros e acertos dos estudantes. Por exemplo: se uma questão teve um número grande de acertos, é considerada fácil e valerá poucos pontos na nota final. Já as questões que poucas pessoas acertam são consideradas difíceis e, seguindo o mesmo raciocínio, valerão mais pontos.

Cada item que compõe as questões tem um valor diferente e é classificado conforme três parâmetros:

  • Grau de dificuldade.
  • Possibilidade de acerto ao acaso (chute).
  • Poder de discriminação (capacidade que a questão tem de distinguir os estudantes que têm o conhecimento exigido daqueles que não têm).

É por isso que às vezes dois participantes têm o mesmo número de acertos mas possuem notas finais diferentes.

Depois que cada item é classificado, o desempenho do participante é medido de acordo com seu padrão de resposta. Quanto mais coerente for seu comportamento, maior será a nota. Veja como funciona:

  • Um estudante que acerta muitas questões fáceis e médias, mas erra a maioria das difíceis, tem um comportamento coerente. Podemos supor que ele tem um conhecimento mediano naquela área.
  • Se ele acerta a maioria das questões fáceis e médias e responde corretamente algumas difíceis, podemos supor que ele tem um ótimo conhecimento na área.
  • Agora, se um estudante acertar questões difíceis e errar a maioria das fáceis, é provável que ele tenha chutado alguns itens, pois este não é um comportamento coerente. O esperado é que, se ele acertou as difíceis, também teria condições de acertar as fáceis.

A nota máxima que um aluno pode tirar no Enem não é conhecida previamente. Antes, acreditava-se que não era possível atingir mais de 1.000 pontos, mas recentemente um participante tirou nota 1.008,3 na prova de Matemática. A cada nova edição do Enem as notas máximas são diferentes.

 

Como funciona a nota da redação

A redação é corrigida de forma totalmente distinta das provas objetivas. Um mesmo texto é avaliado manualmente por dois corretores diferentes, sem que eles saibam a nota um do outro, nem o nome do estudante que escreveu a redação.

Estas duas notas são comparadas. Se houver muita divergência, a prova é corrigida por um terceiro profissional. Se ainda assim persistir a diferença, a redação é submetida a uma quarta avaliação, desta vez por uma banca de especialistas.

Os critérios de correção são bem estabelecidos. Existem cinco parâmetros que devem ser analisados e os corretores devem dar uma nota de zero a 200 pontos para cada um deles. Confira:

  • Entender o tema proposto e apresentar um texto no formato exigido.
  • Ter domínio da língua formal escrita.
  • Usar argumentos, fatos, informações e opiniões na defesa de um ponto de vista.
  • Usar corretamente mecanismos linguísticos para construir a argumentação.
  • Elaborar uma proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.

A nota final da redação varia de zero a 1.000 pontos (nota máxima).

A maioria dos processos seletivos que usa a nota do Enem exige uma pontuação mínima para se inscrever. Além disso, em todos eles, os participantes não podem ter zerado na redação para ter o direito de concorrer a uma vaga. Por isso, fique atento às atitudes que podem anular seu texto:

  • Fugir do tema ou apresentar um texto fora do formato exigido.
  • Escrever menos de 7 linhas.
  • Entregar a folha de redação em branco (o rascunho não é corrigido).
  • Desrespeitar os direitos humanos.
  • Apresentar uma clara intenção de anular a prova.

Além de receber a nota da prova, os participantes do Enem também têm acesso ao espelho da redação, que é a digitalização do texto que foi corrigido.

Deu para notar que não é um processo simples? É por esta razão que o resultado final do Enem, com a pontuação exata de cada candidato, costuma demorar por volta de 60 dias para ser divulgado.

 

Veja também:

Como usar a nota do Enem pra entrar na faculdade

 

Este artigo ajudou a esclarecer como funciona a nota do Enem? Compartilhe conosco seus questionamentos!

Comente