Concordância nominal se baseia na adaptação de uns nomes aos outros, harmonizando-se nas suas flexões com as palavras de que dependem.

Regra geral
O adjetivo e as palavras adjetivas (artigo, numeral e pronome) concordam em gênero e número com o substantivo a que se refere. Ex: Revistas novas. (Feminino – Feminino, Plural – Plural).

Um só adjetivo qualificando mais de um substantivo. – Adjetivo posposto aos substantivos.

O adjetivo concorda em gênero e número com o substantivo. (Gênero refere-se a masculino ou feminino; número refere-se a singular ou plural.) Suponhamos:

  • Não conhecia a fundo o idioma pátrio.
  • Os alunos foram classificados por ordem alfabética.
  • As alunas foram classificadas por critério desconhecido.

No caso de dois adjetivos e um substantivo:

A curto e médio prazos:

Ambas as construções assim estão corretas. No primeiro caso, o substantivo prazo não variou e concorda com o substantivo mais próximo. Acrescente-se que é o adjetivo que deve concordar com o substantivo. No segundo caso, o substantivo prazo aparece flexionado; contraria-se aqui a hierarquia gramatical, pois o substantivo é que está subordinado ao adjetivo e não o contrário. Contraria a hierarquia, mas não fere a regra e ambas as construções são legítimas.

Outros exemplos:

Revelou bondade e docilidade humana.

O objetivo ficou no singular, concordando com o substantivo mais próximo. O adjetivo está qualificando o substantivo docilidade tão-somente; quando se diz:

Revelou bondade e docilidade humanas.

Ambos os substantivos ficam separadas e não formam um todo; temos duas partes distintas e a adjetivo está qualificando ambos os substantivos. Trata-se no caso muito mais de um problema estilístico que gramatical. Vejam-se ainda:

  • O segundo, terceiro e quarto objetivos.
  • O segundos, terceiro e quarto objetivo.
  • O primeiro e o segundo concorrente.
  • O primeiro e o segundo concorrentes.

No primeiro caso, o substantivo foi para o plural, concordando com os vários adjetivos; no segundo, o substantivo ficou no singular, acompanhando o adjetivo mais próximo; no terceiro, o substantivo ficou no singular, concordando com o adjetivo mais próximo; no quarto, o substantivo foi para o plural, concordando com os adjetivos.

Não só o adjetivo, mas também o artigo e o numeral, regra geral, concordam em gênero e número com o substantivo a que se referem:

Dois cheques voltaram carimbados por falta de fundos.
Os auxiliares de escritório caíram na gargalhada…

CONCORDÂNCIA NOMINAL

1º. Caso
Quando o adjetivo é posposto a vários substantivos do mesmo gênero, ele vai para o plural ou concorda com o substantivo mais próximo. Ex: Tamarindo e limão azedos (azedo).

2º. Caso
Se os substantivos forem de gêneros diferentes, o adjetivo pode ir para o plural masculino ou pode concordar com o substantivo mais próximo. Ex: Tamarindo e laranja azedos (azeda).

3º. Caso
Quando o adjetivo posposto funciona como predicativo, vai obrigatoriamente para o plural. Ex.: O tamarindo e a laranja são azedos.

Adjetivo anteposto aos substantivos

1º. Caso
Quando o adjetivo vem anteposto aos substantivos, concorda com o mais próximo.

Ex.: Ele era dotado de extraordinária coragem e talento.

2º. Caso
Quando o adjetivo anteposto funciona como predicativo, pode concordar com o substantivo mais próximo ou pode ir para o plural.

Ex: Estavam desertos a casa e o barraco. Estava deserta a casa e o barraco.

Um só substantivo e mais de um adjetivo

1º. Caso
Ex.: O produto conquistou o mercado europeu e o americano. O substantivo fica no singular e repete-se o artigo.

2º. Caso
Ex.: O produto conquistou os mercados europeu e americano. O substantivo vai para o plural e não se repete o artigo

Outros casos de concordância nominal

1º. Caso
Bastante: – Função adjetiva: Variável – refere-se a substantivo.

Função adverbial: Invariável – refere-se a verbo, adjetivo e a advérbio.
Ex.: Ele tem bastantes amigos (substantivo).
Eles trabalham (verbo) bastante.
Elas são bastante simpáticas (adjetivo).

Obs.: – Nessa regra, podemos incluir ainda as seguintes palavras: meio, muito, pouco, caro, barato, longe. Só variam se acompanhar o substantivo.

2º. Caso
Palavras como: quite, obrigado, anexo, mesmo, próprio, leso e incluso são adjetivos. Devem, portanto, concordar com o nome a que se referem.

Ex.: Nós estamos quites com o serviço militar.
Ela mesma fez o café.
Obs.: A expressão “em anexo” é invariável.
Ex.: As cartas seguem em anexo.

3º. Caso
Se nas expressões: “é proibido”, “é bom”, “é preciso” e “é necessário”, o sujeito não vier antecipado de artigo, tanto o verbo de ligação quanto o predicativo ficam invariáveis.

Ex.: É proibido entrada.
Se o sujeito dessas expressões vier determinado por artigo ou pronome, tanto o verbo de ligação quanto o predicativo variam para concordar com o sujeito.
Ex.: É proibida a entrada.

4º. Caso
As palavras: alerta, menos e pseudo são invariáveis.
Ex.: Os vestibulandos estão alerta. Nesta sala há menos carteiras.

Algumas observações
Nas expressões “o mais … possível” e “os mais … possíveis” , o adjetivo “possível”concorda com o artigo que inicia a expressão. Ex.: Carro o mais veloz possível. Carros os mais velozes possíveis. Carros o mais velozes possível.


a) Quando tem o significado de sozinho(s) ou sozinha(s) essa palavra vai para o plural.

Exemplo:

Joana ficou só em casa. (sozinha)
Lúcia e Lívia ficaram sós. (sozinhas)
b) Ela é invariável quando significa apenas/somente.

Exemplo:

Depois da guerra só restaram cinzas. (apenas)
Eles queriam ficar só na sala. (apenas)

Observação: A locução adverbial a sós é invariável.

Por: Adriana Cristina Mercuri Pinto
Graduada em Letras
Especialização em Lingüística Aplicada

Por: www.analisedetextos.com.br/