Os aminoácidos não são apenas componentes das proteínas que formam os tecidos do nosso corpo. A niacina (um tipo de vitamina), adrenalina, noradrenalina e serotonina (substâncias importantes no controle da função neurológica) também são derivadas de aminoácidos, como de tirosina e o triptofano.
OS AMINOÁCIDOS SÃO NECESSÁRIOS DIÁRIAMENTE

Os aminoácidos que formam o corpo são sintetizados e decompostos diariamente. Portanto, é importante que em nossa dieta diária possamos consumir freqüentemente os aminoácidos necessários, provenientes dos alimentos ingeridos. Quase todas as proteínas dos alimentos são degradadas em aminoácidos até chegar ao fígado.

Dos 20 tipos de aminoácidos constituintes das proteínas do organismo, 11 tipos podem ser produzidos a partir de outros aminoácidos ou de outras substâncias, enquanto os 9 restantes não podem ser sintetizados no corpo. Estes 9 tipos são chamados de “aminoácidos essenciais” e devemos consumi-los diariamente. O balanço recomendável de aminoácidos está definido no escore padrão estabelecido pelos órgãos internacionais (FAO/WHO/UNU). Comparando com este padrão, é possível identificar algum aminoácido limitante, e que deverá ser suplementado ao alimento.

DEFICIÊNCIA DE AMINOÁCIDOS

Se houver deficiência de aminoácidos, o organismo não desempenhará adequadamente suas diversas funções. A deficiência de aminoácidos pode resultar, em particular, em subnutrição e pele ressecada. Os aminoácidos são nutrientes absolutamente necessários para a sobrevivência dos seres humanos.

AMINOÁCIDOS AUMENTAM A RESISTÊNCIA CONTRA INFECÇÕES

A resistência imunológica humana desempenha sua função quando as células imunes (macrófagos e outras) atacam os vírus e bactérias que se infiltram no organismo. Com baixa resistência física, a função dos macrófagos é prejudicada e a pessoa ficará mais suscetível a contrair infecções, como resfriados, pneumonias e outras doenças. A arginina e a glutamina auxiliam na função imunológica dos macrófagos e outras células.

A arginina e a glutamina são aminoácidos não essenciais que podem ser produzidos no organismo. No entanto, os macrófagos devem ativar e proliferar mais do que o habitual em resposta à infiltração de matérias estranhas como vírus. O aumento da resistência imunológica através do aumento do nível de aminoácido no sangue permitirá que o organismo esteja melhor protegido contra infecções. A suplementação equilibrada de aminoácidos auxiliará o organismo a ter maior resistência às doenças.

AMINOÁCIDOS NO COMBATE A RESSACA

A ressaca após ingestão excessiva de álcool é resultado do metabolismo do álcool que é convertido em acetaldeído no fígado.

A glutamina e a alanina ativam a gluconeogênese, acelerando o metabolismo do álcool e do acetaldeído. Os aminoácidos de cadeia ramificada (BCAA: valina, leucina, isoleucina), e também arginina e glutamina estimulam a função do fígado, promovendo o metabolismo do álcool.

Se estes aminoácidos forem ingeridos antes/depois da bebida e/ou no dia seguinte, eles auxiliarão na função do fígado e amenizarão os sintomas da ressaca.

Aminoácidos livres podem ser utilizados a qualquer hora.

Além dos aminoácidos constituintes de proteínas, o organismo armazena cada aminoácido em sua forma livre. Estes aminoácidos livres são usados como materiais para vitaminas, hormônios e para síntese de novas proteínas.

Os aminoácidos não aproveitados são quebrados em dióxido de carbono, água e amônia. Como a amônia possui alta toxicidade, ela é metabolizada no fígado e convertida em uréia inofensiva, que é eliminada na urina. Esta função de eliminação é conduzida principalmente pela arginina, que desempenha o papel principal na desintoxicação de amônia.

Fonte: www.ajinomoto.com.br