Por: Terra

A segunda fase do vestibular da Unicamp acontece entre os dias 14 e 17 de janeiro. Serão 12 questões dissertativas para cada disciplina. Confira algumas dicas dos professores.

Português
Segundo o professor de Português , as provas de Português da Unicamp vêm priorizando leitura e interpretação. É necessário que o vestibulando faça uma leitura atenta, saiba fazer relação e análise dos conteúdos.
Quanto ao conteúdo gramatical, é sempre bom ter mais atenção às questões que abordem problemas de paralelismo gramatical, ambigüidade e conjugação verbal.

Física
Para o professor de Física, o vestibular da Unicamp é ótimo para desmontar aquela idéia de que vestibulares não avaliam o conhecimento adquirido pelo aluno ou são apenas um monte de fórmulas decoradas, teorias sem nexo e outros chavões.

Ele diz que as questões cobram quase todo o conteúdo de Física, mas de maneira elegante, em situações cotidianas e exemplos de aplicabilidade das tais fórmulas em soluções tecnológicas. Ao realizar a prova, o aluno desenvolve suas habilidades específicas na área ao mesmo tempo em que se sociabiliza com o lado mais bonito da Física.

História
Com relação ao Brasil, é interessante observar o crescimento pífio do PIB nos últimos anos, principalmente se comparado ao da China e da Índia, também países emergentes, segundo o professor de História.

Por outro lado, o atual governo tem enfatizado que o crescimento econômico deve vir ligado à distribuição da renda, como é o caso da política de recuperação do Salário Mínimo, que tem sido reajustado acima da inflação.

Para outro professor, o certo é que a política econômica atual destoa daquela levada durante o regime militar e que resultou no chamado “milagre econômico”. Naquela oportunidade, o PIB do País cresceu a dois dígitos sob uma violenta concentração de renda e conseqüente achatamento dos salários.

Inglês
Para a professora de Inglês, a prova de inglês do vestibular da Unicamp é única, e como tal merece uma atenção especial. As 12 questões dissertativas podem apresentar mais itens inseridos: textos jornalísticos, poemas, trechos de peças teatrais, quadrinhos, charges, peças publicitárias, textos acadêmicos, trechos de contos, entrevistas.

Para a professora, nenhum outro vestibular no Brasil apresenta esta variedade. A pressa certamente não é uma preocupação central na prova da Unicamp. O vestibulando deve ler os enunciados com muita atenção, principalmente as questões com mais do que um item.

Não raramente o enunciado de uma questão dá dicas para a resolução de outra e também dá informações preciosas sobre o conteúdo do texto. “Procure também responder o maior número possível de questões. É bom lembrar que os textos estarão em inglês, mas os enunciados estarão em português. Também em português devem ser as respostas dos vestibulandos”.

Química
Segundo o professor de Química, a única diferença da Unicamp em relação à Fuvest é que os itens de cada questão aparecem em ordem crescente de dificuldade.

Exemplo, a letra A é mais fácil que a letra B, e assim por diante. Por isso, a dica é: comece pelo mais fácil, a letra A. É bom lembrar que essa prova é mais extensa que a da Fuvest.

Geografia
Para o professor de Geografia, a Unicamp tem apresentado uma prova difícil em sua segunda fase, diferentemente do que ocorre na primeira.

As doze questões são bem distribuídas entre os temas geográficos e a tradicional tendência a questionamentos sociais e políticos continua presente, apesar de que, nos últimos anos, vem acompanhada de temas mais tradicionais. Nas últimas provas, a Unicamp cobrou conhecimentos de climatologia, geomorfologia, pedologia, temas que exigem maior atenção do aluno.

Este vestibular deixa bem claro em seu manual que tipo de aluno deseja: crítico, com conhecimento global e, principalmente, que saiba interpretar e escrever bem. Desta forma, está subentendido que o vestibulando que deseja ingressar na Unicamp tem de estar preparado para esta exigência.

“Ele deve ter um texto coerente, conciso e objetivo. Isso deve aparecer na elaboração de suas respostas, sem esquecer, obviamente, do conteúdo exigido no enunciado. Equacionar objetividade com elegância literária no corpo do texto de sua resposta”.

Biologia
“Em linhas gerais, a prova de biologia da segunda fase da Unicamp é uma prova tranqüila de se fazer. Em muitas questões, o aluno consegue obter partes da resposta no próprio enunciado, basta fazer a interpretação dos gráficos, tabelas e figuras, que são comuns em questões de segunda fase”, disse a professora de Biologia.

É preciso elaborar textos para responder às questões, mas deve-se evitar dar respostas muito longas ou abordar aspectos não exigidos na pergunta, pois se algo estiver errado pontos valiosos podem ser perdidos, segundo a professora.

Ela diz que a Unicamp costuma cobrar relações entre diversas áreas da Biologia nas questões. Algumas dicas: efeito estufa e fotossíntese/respiração; sistema excretor e transporte através da membrana (transporte ativo, osmose); doenças tropicais, principalmente, o mal de Chagas (transmitida pelas fezes contaminadas do barbeiro introduzidas no ferimento da picada do barbeiro) e diferenças entre as classes de artrópodes; organelas celulares e função; 1ª e 2ª leis de Mendel; herança ligada ao sexo; grupos sanguíneos (sistemas ABO e Rh).

Matemática
Para o professor de Matemática, a segunda fase da Unicamp se diferencia da primeira no conteúdo e na forma. Ela tende a ser mais elaborada, abrangendo mais os conteúdos do Ensino Médio.

Mas os assuntos cobrados, certamente, serão os mesmos da Fuvest. Em geometria, inscrição de sólidos (esfera em cubos, cilindros e contes). Além de teoremas importantes como os teoremas do cosseno, bem como, semelhança de triângulos e cálculo de áreas.

Em álgebra, o professor destaca assuntos como polinômios, números complexos, progressões aritmética e geométrica e análise combinatória. “Conceitos de funções e equações polinomiais também devem ser abordados”, disse o professor.