Veja as melhores dicas do Enem baseadas em provas anteriores

Enem — Escrito por

Para se dar bem no Enem não basta apenas estudar, estudar e estudar.

O exame, pela sua complexidade, vai bem além disso.

O candidato que quiser obter uma boa nota precisa, sobretudo, se ligar em algumas pistas e adotar alguns procedimentos que ajudam a melhorar sua produtividade.

Que tal conhecer alguns desses pontos agora mesmo?

Veja as melhores dicas do Enem baseadas em provas anteriores!

1. Estude apenas o que pede o edital

Nunca aconteceu de um conteúdo não indicado no edital cair em qualquer prova das edições anteriores do Enem. É simplesmente impossível – sem falar que é contra a lei. Por isso não adianta perder horas a fio estudando temas que não constam no documento.

Aproveite esse tempo para reforçar temas que são mais difíceis para você.

2. Use as provas anteriores como referência

A melhor maneira de estudar para o Enem é por meio das provas anteriores. Além de se deparar com questões de diversos níveis de dificuldade, os candidatos ficam familiarizados com o formato das provas que terão de encarar em novembro.

Dá para baixar provas de todas as edições do Enem desde 1998, com gabarito e tudo, pelo site do Inep, órgão responsável pelo Enem.

3. Dê prioridade aos conteúdos que aparecem com maior frequência

Desde que o Enem mudou para o formato atual, em 2010, uma série de conteúdos vem caindo com frequência nas provas. Geralmente são temas do ensino médio que o MEC julga mais importantes.

Por isso é bom dar uma atenção especial a eles, que muito provavelmente vão reaparecer na próxima edição. Quem dá essa pista, obviamente, são as provas anteriores.

4. Faça gerenciamento do tempo

No Enem, o tempo é seu inimigo número um. Por mais que você tenha várias horas para fazer tudo, ainda assim são 90 questões objetivas para resolver, um caderno de respostas para preencher e, no primeiro dia de provas, ainda tem a redação.

Em média, você terá pouco mais de três minutos para resolver cada questão – algumas das quais exigem uma interpretação de texto minuciosa. Nos seus estudos, e principalmente nos simulados, contabilize cada minuto, sempre atendendo ao tempo máximo do Enem: cinco horas e meia no primeiro dia (prova de Linguagens, Ciências Humanas e Redação) e cinco horas no segundo (Matemática e Ciências da Natureza).

Resolva as provas anteriores marcando o tempo.

5. Não vire a noite estudando

Não adianta estudar até a exaustão. Chega uma hora em que o cérebro sobrecarregado não consegue processar mais nenhuma informação nova. Tente estabelecer uma rotina saudável, que dê conta de todos os conteúdos (quatro a oito horas por dia) a serem revisados.

Também libere espaço para uma boa noite de sono, para a prática de exercícios e para uma alimentação saudável. Evite virar noites e, especialmente, estudar demais na véspera das provas. O ideal é chegar bem-disposto, com a cabeça fresca, para encarar a maratona.

6. Não tente aprender tudo na última hora

Se você chegar na reta final do Enem sem ter conseguido estudar tudo o que pede o edital, paciência. Vale aproveitar o tempo restante para dar prioridade aos temas que você tem dificuldade média – o que, na contagem dos pontos, pode fazer mais diferença na sua nota final.

Lembre-se de priorizar os temas que caem com maior frequência nas provas, usando as provas anteriores como guia.

7. Treine o formato da redação

A Redação do Enem parece simples, mas pega muita gente desprevenida. O formato dissertativo-argumentativo em prosa exige do candidato uma visão apurada sobre o tema abordado. Ele terá de demonstrar clareza de ideias, bons argumentos, domínio total da língua portuguesa e ainda uma solução consistente para a problemática apresentada.

E terá de fazer tudo isso junto a outras 90 questões de Linguagens e Ciências Humanas. Por isso é tão importante treinar o formato. Como se faz isso? Buscando, na internet, exemplos de textos que receberam nota 1.000 nas edições anteriores. Tente criar modelos similares em diferentes temas – use os temas que já caíram em provas anteriores para treinar. Reserve, em média, uma hora para tudo (ler o tema, fazer o rascunho e passar a redação a limpo).

Leia e releia o edital

É uma leitura chata e protocolar, mas importantíssima. O edital traz tudo o que você deve fazer antes, durante e depois dos exames. Às vezes, basta uma rápida passagem de olho para descobrir um conteúdo que falta estudar, que só pode usar caneta esferográfica preta, que precisa apresentar documento com foto, etc.

Conheça os principais processos seletivos que usam a nota do Enem

Cada processo seletivo exige um patamar de notas do Enem. Se você quer tentar vaga no Sisu, que distribui vagas em universidades públicas, vai precisar de notas mais altas no Enem – portanto, o ritmo de estudos deve ser mais puxado.

O ProUni, o programa de bolsas de estudos, pede notas um pouco mais baixas que o Sisu, mas ainda assim, altas.

O FIES (crédito estudantil) é mais tranquilo para alguns cursos.

O mais simples é o ingresso direto, aquele que permite entrar direto na faculdade particular com a nota de qualquer Enem a partir de 2010 sem passar por um novo vestibular.

Saiba como escolher uma boa faculdade

Esta é uma dica importante para quem vai usar o Enem para entrar numa faculdade particular, seja pelo ProUni, pelo FIES ou pelo ingresso direto: o ideal é escolher apenas instituições reconhecidas e bem avaliadas pelo MEC.

O motivo para isso é simples: faculdades conceituadas rendem um diploma mais valorizado no mercado de trabalho, o que pode dar uma bela turbinada na sua carreira mais adiante!

Conheça algumas boas faculdades que a gente separou para você:

Veja também:

Descubra qual é o local da sua prova do Enem

E aí, tem mais alguma dica para compartilhar com a gente? Manda ver nos comentários!

Comente