O Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) foi criado com o objetivo inicial de avaliar o desempenho do estudante ao final da educação básica, constituída pelo ensino fundamental e médio, buscando contribuir para a melhoria da qualidade da educação no Brasil.

Já em 2009, o Enem ganhou um novo propósito. Além de sua função primária, o Exame passou a ser utilizado também como critério de seleção de candidatos em cursos superiores de instituições de ensino superior municipais, estaduais e federais. Em outros casos, o candidato também pode conseguir utilizar a nota para conseguir bolsas e até mesmo o financiamento em universidades particulares nacionais e internacionais através de programas oferecidos pelo Governo Federal, como o Programa Universidade para Todos (ProUni), Ciências sem Fronteiras e o FIES (Fundo de Financiamento Estudantil).

O Enem é composto de 180 questões de múltipla escolha e mais uma redação – e a prova é realizada em dois dias. O Exame é aplicado anualmente pelo MEC (Ministério da Educação), por meio do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira).

O que é o Inep

O Inep é uma autarquia federal vinculada ao Ministério da Educação que tem a função de organizar e manter o sistema de informações e estatísticas educacionais, com o objetivo de subsidiar ações do poder público na área da educação do país. O Instituto realiza diversas avaliações e levantamentos de estatística em várias fases e modalidades de ensino, e uma das mais conhecidas dessas avaliações é o Enem.

As provas aplicadas pelo Instituto

A prova mais conhecida aplicada pelo Inep, e que possui maior abrangência, é o Enem. Diante aos resultados obtidos com a prova, a cada ano algumas modificações são feitas, visando melhorias no teste. Em 2013, por exemplo, a alteração mais expressiva foi diante às regras de correção da redação, que se tornaram ainda mais rígidas. Inserção de trechos indevidos, como receitas de macarrão e hinos de times de futebol, que fogem ao tema, vão poder resultar em nota zero para o candidato.

Além disso, o limite para a discrepância entre as duas notas dadas pelos corretores será reduzida. No ano de 2013, todas as redações do Enem foram corrigidas por pelo menos duas pessoas e todas as vezes que as duas notas tiverem uma diferença de mais de 100 pontos, uma terceira pessoa para que pudesse haver um consenso de nota final. Na edição de 2012, a diferença de uma nota e outra podia ser de até 200 pontos.

Além do Enem, o Inep é responsável por outros exames como da Prova Brasil e o Enade (Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes). O primeiro é um exame que avalia as competências de alfabetização, leitura e matemática alcançadas pelas crianças. Já o Enade é um instrumento integrado ao Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes) e avalia o rendimento dos alunos de curso de graduação.

Recorde de inscritos

No ano de 2013 foram inscritos 7.173.574 candidatos para o exame do Enem, estabelecendo- se um novo recorde de acordo com o Iep. Em 2012, o número de inscritos para a prova foi de 5.971.290 pessoas.

Definição do INEP em relação às notas

O Inep lançou em novembro de 2013, um sistema que ajuda os estudantes a entenderem como são calculadas as notas do Enem. Ele permite que o candidato entenda qual é a complexidade de determinada questão. Com esse tipo de ferramenta, o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, acredita que o estudante saberá quais competências o aluno precisa desenvolver e aprimorar.

Os itens para a avaliação estão classificados em uma escala de 0 a 1000 pontos, sendo possível para o candidato verificar em qual grau de dificuldade a questão se encontra.

Para se sair bem no Enem e ter uma boa pontuação conforme determinado pelo INEP, muito estudo é necessário. Por isso, acompanhe regularmente as aulas e, sempre que possível, reserve um tempo para fixar o conteúdo.