O Ministro da Educação afirmou na manhã de quarta-feira (31/07/2013) que o governo federal desistiu de aumentar o período do curso de medicina. No lugar desta respectiva mudança será obrigatório realizar 2 anos de residência médica no SUS (Sistema Único de Saúde).

Esta decisão foi tomada em uma reunião com reitores de universidades federais, o ex-ministro da saúde Abib Jatene e a Associação Brasileira de Ensino Medico.

O acordo inicial era de que o curso de medicina seria ampliado de 6 para 8 anos sendo os 2 últimos de residência no Sistema Único de Saúde. Tal medida visava atender também áreas que possuem carência no atendimento médico. O novo acordo entra em vigor a partir de 2018.

Os dois primeiros semestres do curso de medicina deverão receber atenção primária nas áreas de cirurgia geral, emergência e urgência, clínica medica, ginecologia e obstetrícia, pediatria, medicina da família e comunidade e psiquiatria.

Residência Universitária

Até o ano de 2017, 40% das vagas de residência deverão ser universalizadas para atender a demande de estudantes, a principal área de atuação da residência deverá ser feita na medicina da família e comunidade. Em junho foram anunciadas que ate o ano de 2017 serão abertas 12 mil vagas para residência, afim de suprir a demanda dos recém-formados.

Revalidação Medica

Nesta mesma reunião, o Ministério da Educação decidiu que haverá a aplicação da prova de Revalida (Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos) que será adotada como a única forma de revalidação de diplomas médicos no exterior. Até o presente momento os diplomas podem ser validados por universidades públicas.