Diferentemente de outros vestibulares ou concursos, o sistema de avaliação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) permite uma análise mais precisa do conhecimento dos alunos. Isso porque o valor das questões vai variar de acordo com o número de acertos de todos os estudantes. Parece complicado, mas a seguir você entenderá melhor como isso funciona. Acompanhe:

Como funciona a nota do Enem

Os examinadores do Enem utilizam uma metodologia diferente na hora de corrigir as provas. Eles se baseiam na Teoria de Respostas ao Item (TRI) que não contabiliza o total de acertos, mas sim, o grau de dificuldade das perguntas conforme a quantidade geral de acertos dos participantes.

Para medir se uma questão é mais fácil ou difícil, é preciso ter o índice total de acertos dos alunos. É por isso que, na hora de olhar o gabarito – disponibilizado no site oficial Enem– e compará-lo a nota oficial, nem sempre você terá o mesmo resultado.

A partir do TRI também é possível notar se o aluno chutou a resposta. Isso fica claro quando o estudante acerta uma questão muito difícil, incompatível com os demais acertos do exame. É por esse motivo que dois candidatos podem ter o mesmo número de acertos, porém notas diferentes.

Além desse cálculo, no site do Enem você também encontra as notas máximas e mínimas de cada área da prova: ‘matemática e suas tecnologias’, ‘Ciências da Natureza e suas tecnologias’, ‘Ciências Humanas e suas tecnologias’ e ‘Linguagens, códigos e suas tecnologias’.

A partir dessas médias o aluno pode perceber se foi, ou não, bem na prova. De um modo geral, o estudante que faz 500 ou mais pontos obteve êxito. Essa contagem, porém, não vale para a redação que tem avaliação individual de zero a 1 mil pontos.

O que fazer com a nota do Enem

Apesar de alguns escândalos recentes, como o vazamento de provas, amplamente noticiado pela imprensa, o Enem continua sendo uma oportunidade para conseguir vagas nas melhores universidades do país, ingressar em programas educacionais do Governo, além de ser a forma utilizada para medir o índice de qualidade da educação de nível médio no país. A nota do Enem pode ser utilizada, por exemplo, para o Programa Universidade para Todos (Prouni) que garante vagas em universidades federais e bolsas nas particulares.

Também é possível utilizar, por meio da nota do Enem, o Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que tem como pré-requisito a realização do exame em algumas situações. Para se cadastrar, o aluno deve ter em mãos os dados cadastrais do Enem do ano de interesse na seleção e se inscrever pelo site.

Outras universidades do país, sejam elas particulares ou federais, também utilizam a nota do Enem de outras maneiras, como utilização parcial da nota para ingresso em cursos.

Agora que você já sabe funciona a nota do Enem, o cálculo e de que maneira você pode utilizá-la, basta se inscrever para a prova, que acontece sempre no segundo semestre de cada ano, e usufruir dos benefícios de sua nota nos programas do período seguinte.

Um detalhe importante: Você não precisa ter concluído o Ensino Médio para realizar a prova. Mesmo que já tenha encerrado os estudos há alguns anos você ainda pode se candidatar pelo site. Dedique-se, garanta uma boa nota e as oportunidades de carreira que ela pode lhe oferecer!