Descubra quais são as novas regras do Fies 2019

Fies — Escrito por

O Fundo de Financiamento Estudantil (FIES) foi criado no ano 2001 com o objetivo de fazer com que mais brasileiros pudessem cursar uma faculdade. Por isso, graças a esse programa, diversas pessoas puderam melhorar sua colocação no mercado de trabalho e aumentar sua qualidade de vida.

Com o passar do tempo, esse projeto estudantil passou por algumas mudanças, tendo recebido o nome de Novo FIES a partir de 2018, quando foram divulgadas várias novidades.

As principais alterações realizadas no FIES têm a ver com as formas de seleção, modificando-se regras de renda familiar exigida, tipos de contrato existentes e taxa de juros aplicadas.

Continue a leitura para conhecer em detalhes essas questões.

Quem pode tentar o FIES 2019?

Qualquer pessoa que tenha feito a prova do Enem a partir do ano de 2010, com média geral a partir de 450 pontos e sem zerar a redação pode tentar o FIES.  

Contudo, além disso é preciso que o você tenha renda familiar mensal bruta, por pessoa, de até 3 (três) ou até 5 (cinco) salários mínimos, dependendo da modalidade do financiamento.

Como calcular a renda familiar bruta para o FIES?

Para realizar esse cálculo, faça o seguinte:

  1. Some todos os rendimentos (salários, aposentadoria, renda com aluguel), sem os descontos, de todos os familiares que moram na mesma casa que você.
  2. Divida o valor que encontrou acima pelo número de membros da sua família para saber a renda por pessoa.
  3. Divida essa renda por pessoa pelo valor do salário mínimo vigente.
  4. Se o resultado for igual ou menor do que 5, você está dentro do critério de renda do FIES.

Se você atende a esses requisitos, precisa avaliar em qual tipo de contrato do FIES você pode se enquadrar. Atualmente, há duas modalidades disponíveis. Conheça lendo a seguir.

Quais são os tipos de contratos do FIES disponíveis em 2019?

O Novo FIES especificou um pouco mais as exigências para quem deseja conseguir o financiamento. Essas exigências foram estabelecidas para tentar selecionar os estudantes que realmente precisam de auxílio do governo para fazer um curso de ensino superior.

Assim, no Novo FIES, os estudantes que querem conseguir o financiamento têm dois diferentes tipos de contratos para tentar se enquadrar.

Cada um deles tem suas especificidades, mas a regra geral é: quanto menor a renda familiar mensal bruta, mais facilidades para o pagamento o aluno terá (como juros mais baixos e prazo mais longo).

Conheça as duas modalidades (ou “tipos de contrato”) no Novo FIES.

Modalidade FIES

Para concorrer nesta modalidade, o estudante deve ter renda familiar mensal bruta, por pessoa, de até três salários mínimos.

Características da modalidade “FIES”:

  • Juro zero
  • Lista de espera
  • Pagamento da coparticipação: mensalmente, o aluno deverá pagar um pequeno valor diretamente ao banco
  • Após terminar o curso, o estudante pagará o financiamento de acordo com sua condição. Se não conseguir um emprego, deverá pagar apenas a parcela mínima.

Modalidade P-FIES

Neste tipo de contrato, você deve comprovar renda familiar mensal bruta, por pessoa, de três a cinco salários mínimos.

Características da modalidade “P-FIES”:

  • Juros variam de acordo com o banco financiador
  • Sem lista de espera
  • Sem pagamentos durante o curso
  • Após terminar o curso, o estudante pagará o financiamento. Se não conseguir um emprego, deverá pagar apenas a parcela mínima.

Qual será o valor das parcelas após terminar o curso?

No Novo FIES, o valor das parcelas que o estudante terá que pegar do financiamento que fez não poderá passar de 10% da sua renda mensal. Na prática, isso significa dizer que o que ele pagará não pode “comer” grande parte do seu salário.

Quando o estudante começa a pagar o financiamento?

Uma mudança bastante significativa que o FIES sofreu foi em relação à carência para iniciar o pagamento do valor financiado. No antigo FIES, o aluno só começava a pagar 18 meses depois de ter se formado (ou seja, 1 ano e meio depois).

A partir de 2018, a dívida começa a ser paga quando o profissional recém-formado entra no mercado de trabalho. Contudo, se ele não conseguir um trabalho formal, terá que pagar apenas uma parcela mínima, e essa é uma vantagem em relação ao FIES antigo.

Faculdades que aceitam o FIES

É claro que, para uma faculdade firmar a parceria com o MEC e oferecer FIES, ela precisa ser bem avaliada.

Por isso selecionamos e apresentamos aqui algumas instituições que contam com essa possibilidade. Elas são autorizadas pelo MEC a oferecer o FIES, além de ofertarem outras possibilidades de bolsas e financiamentos próprios para seus estudantes:

Mas e se eu não conseguir vaga no FIES?

Se você tentou conseguir a bolsa do FIES mas infelizmente não foi um dos selecionados, não é hora de entrar em desespero, muito menos momento de desistir.

Saiba que algumas faculdades já pensaram neste problema e têm uma solução: financiamento e bolsas de estudo da própria instituição.

As faculdades listadas acima contam com essas vantagens. Assim, basta entrar em contato diretamente com a instituição para saber mais e começar a estudar!  

Veja também:

Passo a passo do FIES

FIES vale para EAD?

Agora que você já sabe mais detalhes sobre o FIES 2019, diga aqui: está pensando em fazer a faculdade e tentar o financiamento? Já escolheu onde vai estudar? Conte para a gente nos comentários!

Comente