A nota obtida no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) pode abrir muitas portas para seu futuro profissional.

Com ela, você pode participar de diversos processos seletivos para disputar vagas em universidades públicas e privadas, adquirir o seu certificado de conclusão no ensino médio (caso não esteja matriculado em uma escola regular) e concorrer a inúmeros benefícios em faculdades particulares.

Não é à toa que grande parte das universidades públicas já adota o Enem como única forma para admissão de novos alunos – um sinal de que o Exame realmente veio para ficar.

O Enem é diferente do que estamos acostumados a ver, desde o modelo de cálculo da nota, que passa por um complexo sistema de análises, até a separação das matérias – que foge um pouco da organização que usamos no Ensino Médio.

Veja a seguir o que significa a nota do Enem e as diversas formas de usá-la a seu favor!

O que significa a nota do Enem

A nota do Enem é obtida com base na média das pontuações que você alcançou em cada uma das provas que constam no Exame – Matemática, Linguagens, Ciências Humanas, Ciências da Natureza e Redação.

Vale muito a pena dedicar tempo para se sair bem no Enem, pois o desempenho nesse exame será seu principal trunfo na hora de concorrer a uma das milhares de vagas em cursos superiores oferecidas todos os anos!

A nota é tão importante que quem teve um desempenho excepcional no Enem, com mais 800 pontos, por exemplo, pode escolher entrar em praticamente qualquer curso de qualquer universidade pública participante do Sistema de Seleção Unificada (Sisu)! Não é incrível?

Como a nota do Enem é calculada?

A nota do Enem passa por um complexo sistema de correção que envolve duas etapas: a das provas objetivas e da redação.

As provas objetivas são avaliadas com base em um sistema chamado Teoria de Resposta ao Item (TRI), uma metodologia adotada no mundo inteiro que consegue avaliar melhor o nível de conhecimento do candidato e identificar certos padrões de acertos aleatórios, o famoso “chute”.

As provas objetivas Enem são compostas de questões consideradas fáceis, médias e difíceis. Cada uma delas tem um determinado peso e o valor final pode mudar conforme o desempenho do candidato.

O sistema analisa a coerência das respostas. Quem acerta mais perguntas fáceis e médias tem mais chances de ter uma nota mais alta do que quem acerta apenas as difíceis, por exemplo. Por isso é tão complicado “adivinhar” a nota do Enem com base apenas no gabarito.

Já a redação é corrigida de forma “manual” por dois avaliadores diferentes. Cada um atribui cinco notas ao texto de 0 a 200, considerando o domínio do tema proposto, o domínio da língua portuguesa, a organização das ideias, a coerência do texto e a proposta de intervenção social. A nota dos cinco itens é somada. O próximo avaliador segue o mesmo processo.

Depois, as notas finais das duas correções são somadas e divididas por dois. Se houver uma diferença muito grande entre os valores atribuídos, o texto é enviado para um terceiro avaliador. Tudo é feito de forma anônima – ninguém sabem quem está avaliando quem!

Como a correção da redação do Enem não é feita de forma automática, essa nota demora um pouco mais para ser divulgada.

O que significa nota de corte?

A nota de corte é a pontuação mínima para conseguir vaga em determinado processo seletivo e aparece nos três programas do Governo Federal que escolhem estudantes para universidades públicas e privadas: o Sisu, o ProUni e o FIES (veja mais adiante).

Ela é calculada com base nas notas dos alunos que disputam uma vaga na mesma instituição, turno e modalidade (cotas ou ampla concorrência).

Para entender melhor, digamos que o curso de Direito em uma certa universidade ofereça 20 vagas naquele semestre. Os 20 alunos com melhor nota garantem a vaga. A nota mais baixa entre esses 20 vira a nota de corte. Quem tiver uma nota mais alta que a nota de corte pode entrar na disputa e desbancar o aluno que estiver na última posição. Quem tiver nota mais baixa não consegue entrar naquela disputa e terá que procurar outra universidade ou outro curso.

Cursos muito concorridos, como Medicina, Direito e Engenharia, chegam a ter notas de corte superiores a 800 pontos!

Como usar a nota do Enem para entrar na faculdade

Existem três grandes processos seletivos do Governo Federal que usam a nota do Enem para garantir vaga num curso superior de universidades públicas e particulares: o Sisu, o ProUni e o FIES. Veja como participar de cada um deles:

Sisu (Sistema de Seleção Unificada)

O Sisu escolhe alunos para ocupar vagas em universidades públicas. É o maior e o mais concorrido dos três. Para participar da disputa, basta que o aluno tenha feito a edição mais recente do Enem com nota maior que zero na redação. No entanto, para conseguir uma vaga o aluno vai ter que suar a camisa. O sistema escolhe os alunos com as melhores notas. Quanto mais alta a pontuação no Enem, maiores as chances. Cursos mais concorridos geralmente pedem mais de 800 pontos. Em outros é possível entrar com aproximadamente 500. O Sisu não tem requisitos de renda para participar.

Programa Universidade para Todos (ProUni)

O ProUni distribui bolsas integrais e parciais para pessoas de baixa renda que queiram estudar em faculdades particulares. Aqui a disputa também é acirrada e o aluno vai ter que apresentar uma bela nota no Enem. Para participar é preciso cumprir requisitos de renda, além de ter feito a edição mais recente do Enem, com pelo menos 450 pontos na média geral das provas e nota acima de zero na redação.

Fundo de Financiamento Estudantil (FIES)

O FIES permite que estudantes de baixa renda financiem a faculdade hoje e só comecem a pagar o empréstimo de volta ao Governo Federal um ano e meio depois da formatura. As notas para conseguir o benefício variam de 450 pontos para os cursos menos concorridos a mais de 700 para os mais disputados. O FIES também tem requisitos de renda. São aceitas as notas do Enem a partir da edição de 2010.

Além dos três grandes processos seletivos, muitas universidades privadas aceitam a nota do Enem em substituição ao vestibular da instituição. Ou seja, você pode entrar no curso direto, sem ter que fazer outra prova. O processo varia de faculdade para faculdade, por isso é bom checar como é a seleção diretamente na instituição desejada.

Como usar a nota do Enem para conseguir certificado de ensino médio

O Enem também pode ser usado para obter o certificado de conclusão do ensino médio. Essa opção é especialmente útil para quem não terminou os estudos no tempo regulamentar e precisa do comprovante para fazer um concurso público ou obter uma vaga de emprego que exija esse grau de escolaridade.

Para obter o certificado, o candidato deve marcar essa opção no ato da inscrição do Enem, apontando também qual instituição deverá emitir o documento (a lista de instituições certificadoras é publicada no Edital do Enem).

O certificado só será emitido para aqueles que conseguirem a pontuação mínima de 450 em cada uma das provas objetivas do Enem e 500 na redação. É obrigatório ter 18 anos ou mais até a data da primeira prova.

Faculdades que aceitam a nota do Enem

Conheça algumas faculdades privadas que aceitam a nota do Enem como forma de ingresso:

Veja também:

Enem acumula pontos?

E aí, está claro para você o que significa a nota do Enem? Se tiver alguma dúvida, basta contar para a gente nos comentários!