A primeira edição do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) foi no ano de 1998, com um número modesto de apenas 157,2 mil candidatos inscritos, desses apenas 115,6 candidatos participaram. Apenas na 4ª edição que o ENEM teve um número expressivo de inscritos com 1,2 milhões de participantes.

O Ministério da Educação (MEC) juntamente com o Governo Federal decidiram uma medida importante para aumentar a possibilidade dos inscritos que segue até os dias de hoje, alunos que estudavam em escola pública possuem isenção de taxa de inscrição.

Na edição do ano de 2009 foi decidido que o exame teria um novo formato com aumento de questões para 180 e agrupamento de quatro áreas de conhecimento, são elas :  linguagens, códigos e suas tecnologias, matemática e suas tecnologias, ciências da natureza e suas tecnologias e ciências humanas e suas tecnologias.

Porque fazer o ENEM ?

Hoje em dia, com o ENEM, o aluno tem uma possibilidade maior de ingressar, através do Sistema de Seleção Unificada (SiSU),  em muitas das Universidades Federais do país, além de poder utilizar o desempenho para ser selecionado para a segunda fase de diversos vestibulares.

Não é só para vestibulandos que o ENEM é importante, este exame também pode ser utilizado por pessoas maiores de 18 anos que não tenham concluído o ensino médio, estes podem participar do exame para obterem a certificação de conclusão do Ensino Médio.

Os candidatos inscritos no ENEM também podem concorrer a bolsas, através do Programa Universidade para Todos (ProUni), para ingressar em universidades particulares. Com um bom desempenho no exame é possível conseguir bolsas integrais ou parciais (50%) neste programa do MEC.

Outra vantagem de fazer o ENEM é que algumas empresas utilizam a participação dos candidatos no exame, para conquistarem a vaga de emprego, ou seja, os candidatos a vaga que não tiverem experiência terão uma chance maior se tiverem participado do exame.

Universidades que aderiram o ENEM em 2012

Região Norte

– Universidade Federal do Acre (UFAC )

– Universidade Federal do Amazonas (UFAM)

– Universidade Federal do Amapá (Unifap)

– Universidade Federal do Pará (UFPA)

– Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA)

Região Nordeste

– Universidade Federal de Alagoas (UFAL)

– Universidade Federal da Bahia (UFBA)

– Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB)

– Universidade Federal do Ceará (UFC)

– Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Região Sudeste

– Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

– Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

– Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)

– Universidade Federal de Lavras (UFLA)

– Universidade Federal de Alfenas (Unifal)

Região Sul

– Universidade Federal do Paraná (UFPR)

– Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR)

– Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila)

– Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

– Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Região Centro-Oeste

– Universidade de Brasília (UnB)

– Universidade Federal de Goiás (UFG)

– Universidade Federal de Grandes Dourados (UFGD)

– Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)

– Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)

Formas de utilização do desempenho do ENEM pelas Universidades

Existem 4 possibilidades das universidades utilizarem a nota de desempenho do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), são elas :

1 – Utilizar a nota do exame como critério de seleção com ou sem o SiSU;

2 – A nota obtida substituirá alguma etapa de seleção;

3 – Utilizar a nota para complementar a nota final do processo seletivo.

4 – Utilizar a nota obtida como critério de desempate.