Prouni Enem

Prouni — Escrito por

Fazer um curso superior é o sonho de muitos, mas nem todos conseguem a almejada vaga nas instituições públicas e, em alguns casos, as condições financeira não permitem o ingresso em universidades particulares. Pensando nisso, o governo federal criou uma série de programas para a melhoria das condições do ingresso na universidade e busca levar esta realidade para mais pessoas, a cada ano. Um dos exemplos de programas que visam essa realização é o Prouni. Mas o que é este programa, como ele funciona e quem pode participar? Confira todas as informações!

O que é o Prouni

O Programa Universidade para Todos (Prouni) foi criado pelo Ministério da Educação e lançado pelo Governo Federal em 2004. Ele consiste em disponibilizar bolsas totais ou parciais (de 50%) para alunos com condições específicas ingressarem em instituições privadas de ensino superior. O intuito deste programa é levar aos estudantes a oportunidade de terem contato com a formação no ensino superior, mesmo que não tenham condição de pagar integralmente ou parcialmente pelo curso.

Porque o Prouni foi criado?

A trajetória da educação no Brasil e a condição financeira da maioria da população levaram o Governo Federal a planejar um modo de incluir os estudantes que desejam ter acesso aos estudos, além das universidades federais. É sabido que, muitas vezes, as pessoas que tiveram melhores condições financeiras, tiveram também mais oportunidades de frequentar bons colégios, tanto durante a educação básica, quanto no ensino médio, levando-os a serem aprovados nas seleções de universidades públicas (que oferecem os cursos de forma gratuita e são famosas pela excelência). Os alunos que não possuem condições financeiras para se dedicarem aos estudos em instituições com boa estrutura, ficam, em alguns casos, de fora da lista de aprovados de universidades públicas. Isso fez com que o Governo criasse meios para impulsionar o crescimento do país, através da vivência da população no ensino superior. A partir dessas premissas, foram criados diferentes programas de inclusão, cotas e também o Prouni.

Quem pode participar?

O programa é destinado a pessoas com condições específicas, sendo estas:

  • Estudantes que tenham feito o ensino médio completo na rede pública de educação;

  • Estudantes que cursaram o ensino médio completo na rede privada como bolsistas integrais;

  • Estudantes que cursaram o ensino médio parcialmente em escolas públicas e parcialmente em escolas particulares como bolsistas integrais;

  • Estudantes com deficiência;

  • Professores da rede pública de ensino que estejam efetivamente exercendo o magistério da educação básica e integrando o quadro permanente da instituição pública. (Eles podem concorrer a bolsas exclusivamente para os cursos com grau de licenciatura e não precisam comprovar renda).

Para entrar na concorrência por bolsas integrais, os candidatos (exceto os professores), devem comprovar renda familiar bruta mensal de até um salário mínimo e meio, por pessoa. Já para concorrer às bolsas parciais (de 50%), a renda bruta familiar deve ser de até três salários mínimos por pessoa.

Qual a relação entre o ENEM e o Prouni?

Ao verificar a destinação específica deste programa, o candidato pode fazer sua inscrição. Para isso, ele deve fornecer o número e a senha de inscrição do ENEM do ano anterior. As notas no Exame Nacional do Ensino Médio deverão ter atingido pelo menos 450 pontos e a redação deve ter alcançado nota maior que zero. O candidato deve se certificar que se encaixa em todas os requisitos para concorrer à bolsa (renda familiar condizente, notas no Enem, entre outros já citados). A inscrição é feita de forma gratuita, somente através do site do programa.

Na página para inscrição, estão os dados das instituições privadas que disponibilizam bolsas e em quais cursos e turnos o fazem. Dessa forma, o candidato deve selecionar, em ordem de preferência, até duas opções de instituição, curso e turno dentre as bolsas oferecidas de acordo com seu perfil. Lembrando que os professores da rede pública que se encaixam nas especificações, por exemplo, só podem se candidatar para cursos com grau de licenciatura.

Cotas para pretos, pardos, indígenas e pessoas com deficiência

Além das especificações pedidas, os estudantes que se auto declararem pretos, pardos ou indígenas possuem cotas para participar do programa. O percentual de bolsas destinadas aos cotistas é igual àquele de cidadãos pretos, pardos e indígenas, em cada Estado, segundo o último censo do IBGE.

Os resultados de pré-aprovação são disponibilizados em duas chamadas. Os candidatos devem então se dirigir às instituições em que foram pré-aprovados levando os documentos necessários para prosseguir no processo seletivo. São eles:

  • Um documento de identificação válida, com foto e que seja aceito em todo território nacional.

  • Um comprovante de residência, podendo ser contas de água, energia, declaração do imposto de renda, entre outros.

  • Comprovantes de rendimentos relacionados às atividades dos integrantes da família, com diferenças para assalariados, aposentados, etc.

  • Caso seja necessário, comprovantes de divórcio, certidão de óbito dos pais e comprovantes de pagamento da pensão alimentícia.

  • Comprovantes referentes ao ensino médio.

  • Se for o caso, comprovante de professor da educação básica pública.

  • Comprovante de pessoa com deficiência, caso for necessário.

Além desses documentos, algumas instituições podem ter processos seletivos próprios, diferentes do vestibular, para selecionar os bolsistas.

 

Dedique-se ao Enem e garanta a sua vaga na universidade com o  ProUni!

 

Tags: , , , , ,

Comente