Redação Enem

Enem — Escrito por

Depois de uma longa prova objetiva no segundo dia de provas, é a vez de desenvolver a – muitas vezes temida – redação. Quem se prepara para a maratona do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) também se preocupa em ter um bom desempenho na hora de escrever sobre o tema abordado, afinal, esta etapa do exame pode chegar a somar até 1.000 pontos no resultado.

Para mandar bem na redação do Enem, as principais dicas são: estar bem informado, praticar bastante a escrita e conhecer o Guia do Candidato do Enem, divulgado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) e pelo Ministério da Educação (MEC) que tem, inclusive, uma abordagem específica para a redação. Este documento é um manual gratuito, disponível no site do Inep, que explica os critérios de avaliação da redação e o que se espera do estudante.

Mais rigor na correção das redações

As últimas atualizações do manual mostram que a organização do Enem tem se preocupado em ser mais rigoroso com a correção da redação, principalmente depois da polêmica de divulgação de textos com hino de time de futebol e receita de macarrão instantâneo em edição anterior do Exame.

As redações que apresentarem parte do texto deliberadamente desconectada com o tema proposto serão anuladas. Já os erros de português só serão relevados se a nota do texto for máxima e a banca justificar que o desvio é excepcional. Por fim, se as notas dos dois avaliadores destinados à correção da prova forem discrepantes, ou seja, tiverem uma diferença de mais de 100 pontos, um terceiro profissional corrigirá a redação. Antes, a tolerância era de 200 pontos. Exceto nesses casos, a nota final da redação é a média aritmética da pontuação total dada pelos dois corretores.

O estudante deve, ainda, estar ciente dos casos de anulação da prova, que, além da fuga do tema, dizem respeito a textos com até 7 linhas, não obediência à estrutura dissertativo-argumentativa, desenhos, desrespeito aos direitos humanos e redação em branco, mesmo que exista um rascunho.

Estrutura e tipo de texto

O texto da redação do Enem deve ser escrito em prosa, do tipo dissertativo-argumentativo, sobre um tema de ordem social, científica, cultural ou política. A partir do tema dado, o candidato deve defender uma tese (uma opinião), sustentada em argumentos convincentes, cuidando para que o texto seja coeso e coerente.

A escrita deve ser formal, de acordo com as normas da Língua Portuguesa, e apresentar, por fim, uma proposta de intervenção social para o problema abordado que respeite os direitos humanos.

Critérios de avaliação

A redação do Enem será avaliada com base em cinco competências, sendo que, cada uma, contabiliza até 200 pontos:

Demonstrar domínio da modalidade escrita formal da Língua Portuguesa

Esta se difere da modalidade informal, bem como da oral, portanto, nada de gírias ou vícios de linguagem, por exemplo. O aluno deve estar atento também às regras gramaticais e ortográficas – já nos padrões da última reforma realizada -, além de cuidar da pontuação e da ligação entre as ideias e frases para a construção de um texto claro e objetivo.

Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo em prosa

É importante ler com atenção os textos motivadores e ter clareza do que é solicitado. O candidato, contudo, não deve se ater a eles, procurando incluir outras informações para desenvolver seu raciocínio e sua tese (opinião). Vale lembrar que o texto é argumentativo porque defende um ponto de vista e é dissertativo porque utiliza explicações para justificá-lo, logo, suas ideias devem obedecer a essa estrutura.

Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista

Nesse item, são avaliadas a relação de sentido entre as partes do texto, a precisão vocabular, a progressão temática e a adequação do conteúdo do texto ao mundo real. Esse conjunto mostrará se o texto é inteligível e coerente.

Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação

A redação precisa conter mecanismos de linguagem, como preposições, conjunções, advérbios e locuções adverbiais, para ser coesa. Ou seja, é avaliado o encadeamento de frases, períodos e argumentos a partir do uso adequado da Língua. Estruturação dos parágrafos, relações de causa e consequência, comparações, referenciação, entre outros exemplos, também são aspectos relevantes para um texto coeso.

Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos

Por fim, o estudante deve apresentar uma proposta que seja coerente com a argumentação desenvolvida ao longo da redação e que seja viável, com detalhamento dos meios para sua realização.

Outras recomendações para o bom desenvolvimento da redação para o Enem

Leia atentamente os textos motivadores da redação do Enem, procurando identificar o posicionamento dos autores. Evite, entretanto, copiar trechos longos da coletânea apresentada, uma vez que a parte copiada não entra na contagem do mínimo de linhas, apenas a quantidade produzida pelo candidato.

Capriche na letra! Se o texto estiver ilegível, fatalmente será anulado. O título, por sua vez, é opcional e é contado como linha escrita. Quanto ao Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, ele será definitivo a partir de 31 de dezembro de 2015. Até lá, o texto pode conter tanto as antigas quanto as novas regras ortográficas. mas é sempre bom já tentar se adequar às mudanças.

Não se esqueça que o Inep, responsável pelo desenvolvimento e aplicação das provas, disponibiliza anualmente um manual de redação do exame nacional do Ensino Médio. Ele é gratuito e pode ser acessado através do site do instituto. Atente-se às questões nele pontuada e seja confiante quanto ao desenvolvimento do conteúdo! Informação é o segredo para o sucesso!

Tags: , , , ,

Comente