Sisu

Sisu — Escrito por

O Sistema de Seleção Unificada (SiSU) é uma das formas de acesso ao ensino superior mais procuradas pelos estudantes atualmente. Gerenciado pelo Ministério da Educação (MEC), o SiSU utiliza a nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) como única etapa para ingresso em cursos de graduação em instituições públicas de todo o país.

Para participar da seleção, o aluno deve ter feito o Enem no ano a que se refere o SiSU em questão. Por exemplo, para se inscrever no SiSU de 2014, o candidato utiliza os dados do Enem de 2013, não podendo lançar mão de resultados de edições anteriores do exame. Além disso, a nota da redação tem que ser superior a zero. Na inscrição, feita exclusivamente pelo site do SiSU e sem cobrança de taxa, devem ser informados o número de inscrição e a senha usados no Enem.

Duas opções de curso

Ao se inscrever, o aluno deve escolher duas opções de curso, por ordem de preferência, em qualquer universidade do país que tenha oferta de vagas pelo SiSU. O candidato pode alterar sua escolha quantas vezes quiser durante todo o período de inscrição, sendo considerado apenas o último registro.

As vagas são preenchidas automaticamente pelos estudantes que têm as maiores notas do Enem entre os concorrentes que se inscreveram para a seleção referente àquele curso. Desse modo, o número de classificados corresponde ao número de vagas disponíveis. Se, entretanto, sua nota não for suficiente para estar entre os classificados de sua primeira opção, você passará a concorrer a uma vaga em sua segunda opção de curso.

São feitas duas chamadas sucessivas, sendo que cada uma delas estipula um prazo para que o estudante efetue sua matrícula na instituição e confirme a ocupação da vaga. Os participantes classificados em sua primeira opção, por sua vez, precisam ficar atentos, uma vez que são convocados uma única vez – o aluno só terá o prazo da primeira chamada para efetuar sua matrícula, de modo que não será convocado novamente na chamada seguinte.

Já quem se classifica para sua segunda opção de curso continua concorrendo a uma vaga na primeira opção na segunda chamada, mesmo que tenha efetuado sua matrícula. Se, na segunda chamada, acontecer de o candidato ser classificado na sua primeira opção – por desistência de outros, por exemplo –, ele pode se matricular nesse curso. Nesse caso, a matrícula anterior, feita para a segunda opção, é automaticamente cancelada.

O que o candidato não pode escolher é se vai começar seus estudos no primeiro ou no segundo semestre. Fica a critério de cada instituição se ela abrirá vagas para os dois períodos ou apenas um. Caso haja vagas para os dois semestres, elas devem ser preenchidas conforme a ordem de classificação dos alunos. O prazo para efetuar a matrícula, contudo, é o mesmo, independentemente de quando começarão as aulas.

Lista de espera do Sisu

Os candidatos que não forem aprovados para nenhuma de suas opções de curso, bem como os que foram classificados apenas para a segunda opção, podem entrar para a lista de espera, que visa preencher possíveis vagas não ocupadas. A participação, no entanto, só pode ser feita em relação à primeira opção de curso do aluno, cabendo a ele manifestar seu interesse em entrar para a lista de espera através da página do SiSU dentro do prazo determinado. Depois, ele deve ficar atento à convocação feita pela própria instituição de ensino, que indicará quem poderá se matricular.

Nota de corte

Quando o estudante entra no site do SiSU durante o período de inscrição, ele vê a nota de corte para o curso desejado. Isso porque o sistema calcula diariamente o que seria a nota mínima para que o candidato fosse aprovado, baseando-se no número de vagas e nas notas de todos os inscritos para aquele curso.

A nota de corte, contudo, é apenas uma referência para que o estudante avalie suas chances de ser selecionado – podendo usar seu direito de mudar sua opção de curso. Obviamente, a nota de corte apresentada é variável de acordo com as notas de quem vai se candidatando ao longo do período de inscrição. Além disso, ela não é calculada em tempo real e, por isso, também não garante que o candidato será ou não classificado ao final das inscrições.

Outro fator a ser considerado pelo candidato é a possibilidade de sua nota variar de acordo com a universidade e o curso escolhidos. Algumas instituições que participam do SiSU adotam pesos diferentes para a nota do Enem de acordo com cada curso. O sistema, então, recalcula a nota do participante dentro dos parâmetros da instituição selecionada.

Política afirmativa do Sistema

Todas as instituições que participam do SiSU têm vagas reservadas para estudantes que cursaram o ensino médio em escolas públicas, atendendo à Lei de Cotas. Além dessa, cada centro de ensino pode ou não adotar outras políticas afirmativas próprias, a exemplo do bônus, que confere uma pontuação extra, acrescida à nota do Enem, para os candidatos a serem beneficiados. Nesse caso, eles passam a concorrer com os demais inscritos.

Sendo assim, há três formas de concorrer: por vagas de ampla concorrência, vagas reservadas à Lei de Cotas e vagas destinadas às demais ações afirmativas da instituição. O aluno deve escolher a que melhor se adeque ao seu perfil e declarar a modalidade de concorrência no momento da inscrição.

Desempate

Caso existam estudantes com notas iguais, os critérios para desempate dizem respeito à maior nota nas seguintes provas, nesta ordem: Redação; Linguagens, Códigos e suas Tecnologias; Matemática e suas Tecnologias; Ciências da Natureza e suas Tecnologias; Ciências Humanas e suas tecnologias.

O SiSU acontece duas vezes por ano, no início de cada semestre, e tem levado cada vez mais universidades e instituições a adotarem seu sistema, que tem como base o resultado do Enem. Aproveite a oportunidade de ingressar nas melhores universidades públicas do país!

Tags: , , ,

Comente