A Universidade Federal Fluminense abre o novo curso de bacharelado em Antropologia no início em agosto deste ano, é pioneiro no Estado do Rio de Janeiro e um dos primeiros no Brasil.

A primeira turma será formada, exclusivamente, por meio do Enem – com 55 vagas – e transferência externa – cinco vagas. A partir de 2012, as turmas serão formadas pelo vestibular tradicional da UFF.

Os antropólogos têm sido fortemente requisitados, em todo o Brasil, especialmente para subsidiar a implementação de políticas públicas, nos âmbitos federal, estadual e municipal de governo, em todas as áreas de atuação, especialmente em educação, saúde, movimentos sociais (reforma agrária, por exemplo) e patrimônio.

Além disso, a necessidade da intervenção antropológica se manifesta, especialmente, com relação às políticas de diversidade e de ação afirmativa e aos laudos referentes à demarcação de territórios indígenas e quilombolas, sem esquecer sua importância para realizações de Estudos de Impacto Ambiental (EIA), de seus relatórios (Rima) e a delimitação de áreas de conservação e preservação.

A Antropologia investiga os diversos aspectos da vida social em diferentes culturas ou sociedades, estuda sobre parentesco e organização social, política e economia, ritual e religião, corpo e pessoa, práticas de conhecimento, arte e simbolismo.

A originalidade da Antropologia como Ciência Social reside em seu interesse pelo caráter multifacetado dos fenômenos coletivos e provém tanto de seu método etnográfico de trabalho de campo intensivo como de sua abordagem comparativa de fenômenos coletivos em diferentes contextos culturais e sociais.

Outras informações pelo telefax (21) 2629-2867 e no site www.coseac.uff.br.